MT-Programa de Mentoria: Construindo a Autonomia, passo a passo, Habitação

Sobre
Visão global
Objectivos
Contexto
Desafios
Encarando os desafios
Sobre

Tipo de Actividade:

x Mentoria

❑ Grupo de Pares

❑ Workshop

Pilar relevante: Habitação

Competências Relevantes;
Comunicação, Elementos Transversais, Sociais & Cívicas, Aprender a Aprender, Sentido de Iniciativa e Empreendedorismo

Duração mínima: 6 horas (é recomendado a impelemtação das actividades em pelo menos 3 diferentes momentos no tempo)

Materiais e Recursos: PC com acesso à internet, impressora, folhas de papel A4, bloco de notas, canetas.

Visão global

Actividade de mentoria de pares (mentor + mentorado).

Esta actividade está organizada em duas componentes: (i) Encerramento (preparar o encerramento, contar com eventuais alterações no relacionamento, estar aberto/a a necessidades de continuidade de apoio, etc.) (ii) ajudar o menbtorado a identificar oportunidades, interesses, vontade de investir num percurso pessoal construtivo relacionado com todos os aspectos ligados à habitação.

Recomendações – Se alguma das sessões anteriores já tiver sido implementada, o tópico seguinte não é de leitura obrigatória. Pode saltar para a secção dos Objectivos.

Por favor, tenha em consideração que esta é uma sessão de orientação – não uma atividade de formação ou educacional, ou mesmo um workshop! O/A Profissional de Acompanhamento (mentor/a) não é um professor/ formador/ facilitador, é uma pessoa carinhosa e mais experiente que estabelecerá um relacionamento com uma pessoa menos experiente, resultando na prestação de apoio, amizade e papel construtivo de modelo, que se mantem consistentemente durante um período de tempo. O papel do mentor é fornecer ao jovem apoio, orientação e assistência. O mentor deve ser capaz de ouvir e fazer perguntas que desafiarão o/a mentorado/a a identificar o rumo das acções que precisa de executar em relação ao seu próprio desenvolvimento.

Flexibilidade é um trunfo! – Esta sessão de mentoria pode combinar atividades diferentes, começando por se conhecer e refletindo sobre si mesmo/a, e depois construindo o relacionamento entre os dois, até o estágio de discussão do caminho educacional.

Objectivos

• Investir no desenvolvimento da autonomia (criação e implementação de um percurso de autonomização, exploração individual, e construção activa de estratégias),
• Identificar oportunidades, interesses e objectivos relativos à Habitação

Resultados Esperados

• Maior autonomia, especificamente em relação a: (i) capacidade de criar e implementar efetivamente um caminho de autonomização autónomo, (ii) decidir e fazer exploração individual e (ii) criar ativamente um conjunto de estratégias de reforço intrapessoal.
• Aprimoramento do senso de confiança, segurança e construtividade do mentorado no relacionamento com o mentor.
• Aumento da capacidade do mentorado para organizar seu sentido de si e expressar positivamente sentimentos sobre si mesmo, eventos da vida e pessoas importantes, especificamente focados nos desafios que a saúde (física, psicológica e social) pode representar durante o processo de autonomização e aproximação à idade adulta.
• Desenvolver a consciencialização do mentorado sobre suas escolhas na criação de estratégias adequadas em relação à moradia.

Contexto

Considerações globais (conforme a sessão 1) – Se as sessões tiverem sido implementadas, este tópico não é de leitura obrigatória. Por favor prossiga para os Desafios.

O processo de mentoria pode ser útil para uma grande diversidade de situações e em diferentes estágios da trajetória de vida. Por ser um processo flexível, centrado nas pessoas, e construtivo, no qual “um consultor experiente e confiável” (neste caso, um adulto) partilha a sua experiência e conhecimento de maneira facilitadora para apoiar o desenvolvimento do mentorado, é particularmente relevante para crianças em acolhimento, com o objetivo de integrar posteriormente no contexto comunitário. O processo/ experiência de Mentoria representa uma oportunidade muito estimulante para o mentorado conhecer uma influência positiva e construtiva em sua vida e desenvolver um relacionamento baseado em confiança, partilha, respeito e carinho.

Para fazer isso, o/a Profissional de Acompanhament o(mentor/a) terá um papel desafiador, no qual lhe será solicitado que:

• Ouça ativamente
• Incentive a auto-análise e a auto-reflexão
• Dê críticas construtivas e aceite outras formas de ver, sentir e estar no mundo
• Forneça feedback baseado em evidências
• Explique diferentes perspectivas (e não apenas as sua própria)
• Faça perguntas para ajudar a entender melhores situações ou problemas – tanto o mentor como o mentorado precisamde ter abordagens positivas, e manter uma mente aberta. Portanto, o Mentor deve evitar perguntas demasiado direccionadas, e sempre ter em mente que as decisões são tomadas pelo mentorado.
      • Forneça informações e conhecimentos, informando e partilhando   redes (in)formais
• Mantenha o foco do relacionamento em abordagens positivas e construtivas – dê apoio e incentivo
• Forneça aconselhamento sobre desenvolvimento educacional e / ou de carreira e / ou outros tópicos considerados relevantes pelo mentorado.

No que diz respeito às principais competências de orientação, são comummente expressos na literatura:

• Autoconsciência – implica uma boa compreensão de seus próprios pontos fortes e necessidades de desenvolvimento
• Credibilidade – a nível pessoal e profissional
• Acessibilidade – disponibilidade e comprometimento em termos de tempo e disponibilidade para apoio e orientação
• Comunicação – boas competências de comunicação e ser capaz de entender as ideias e sentimentos dos outros é uma obrigação!
• Capacidade de capacitar – o/a Mentor/a deve ser capaz de criar um ambiente de aprendizagem e partilha em que seja seguro para os mentorados divulgar ou experimentar coisas diferentes
• Criatividade e imaginação – esteja aberto a novas maneiras de fazer as coisas e diferentes maneiras de aprender / trabalhar
• Empatia – capacidade de simpatizar com os mentorados
• Compreensão – capacidade de entender diferentes perspectivas, abordagens e, possivelmente, diferentes experiências e percepções dos mentorados.

Desafios

-A autoconfiança e a autoimagem podem ser baixas, o que poderá ter um impacto negativo em matérias relacionadas com a haitação. Para discutir as dificuldades e fragilidades durante este período, que pode ser especialmente stressante, pode produzir uma intensificação de emoções negativas, medos e preocupações.

-Alguns conceitos podem ser demasiado abstractos ou difíceis para o mentorado (e.g.: legislação sobre o direito à habitação).

-Manter e reforçar continuamente uma relação positiva, construtiva e de confiança entre o mentor e o mentorado (tendo em consideração que as crianças e jovens precisam de tempo, oportunidades para se conectar e desenvolver actividades juntos/as, e momentos de confiança e partilha que requerem flexibilidade e apoio do mentor.

Encarando os desafios

-O LCP estará preparado para lidar adequadamente com o stress emocional e as dúvidas/ dificuldades de autoconfiança / autoconceito, especialmente em relação à habitação.

-O LCP deverá usar linguagem comum e acessível (se conceitos técnicos forem necessários, serão explicados através de exemplos práticos, analogias e/ ou experiências pessoais) para garantir que o mentorado entende adequadamente o que está sendo dito. Por favor foque-se nos aspectos e dimensões da habitação que são percepcionados como relevantes e prioritários para o mentorado.

-O/a mentor/a deve focar-se em estabelecer um relacionamento positivo, construtivo e confiável com o mentorado. Para fazer isso, é necessária uma abordagem flexível e de mente aberta que garanta que o processo de mentoria ocorre de acordo com as necessidades, interesses, capacidades e expectativas do mentorado. Isso pode implicar ajustes nos objetivos, conteúdos, metodologias e/ ou atividades de cada sessão – a fim de aumentar a eficiência e a eficácia da orientação. Isso não significa, no entanto, que esta diretriz seja descartada – deve ser a linha de orientação do caminho da mentoria, mesmo que cada caminho, evidentemente, seja único.

Passos de implementação

Cada caminho de orientação é único, e isso faz parte de sua riqueza. Portanto, nenhuma atividade de carácter obrigatório será sugerida para as 9 sessões de Mentoria. Em vez disso, propomos sugestões a ser consideradas e implementadas pelo mentor e mentorado, com a flexibilidade e a adaptação necessárias. A jornada de mentoria deverá ser personalizada, e ter diferentes prioridades de desenvolvimento para cada jovem.

Para esta sessão, sugere-se que o/a mentor/a se concentre em debater:

Parte A

• Revisão das experiências das sessões anteriores – principais elementos positivos, o que precisa de mudança / melhoria, estado emocional da mentorado durante e após a sessão,
• Ajudar a desenvolver um plano de ação exequível e apoiar a sua implementação: dar suporte na identificação de objetivos, sinalização de iniciativas / ações, definição das principais etapas para alcançar os objetivos, definição de estratégias de monitorização de objectivos.
• Fornecer feedback construtivo
• Identificar pontos fortes, objectivos e opções a explorar
• Treinar áreas específicas de dificuldade/ necessidades, se necessário
• Criar oportunidades para os os mentorados ganharem experiência

Parte B

    • Habitação

a. Desejos, prioridades, possibilidades e oportunidades

b. Suporte para

i.desenvolver estratégias de reforço intrapessoal em relação ao processo de busca, escolha e arrendamento/ compra de uma casa

ii.identificar os principais objetivos, desafios e oportunidades relacionados com as escolhas feitas pelo mentoradoe

iii. elaborar um plano e operacionalizar a estratégia escolhida

iv. construir e implementar uma estratégia eficiente de procura de habitação

Dicas para esta sessão

A. Lidando com o encerramento

a. Prepare o encerramento,

b. Esteja a contar com antrecipações e imprevistos que podem condicionar o encerramento,

c. Esteja aberto a uma eventual necessidade de continuidade de apoio, mais à frente

B.Habitação

  1. Identificar as características mais importantes de uma casa para o mentorado

Justificação: Antes de qualquer exploração das possibilidades / oportunidades de habitação, é importante saber o que o mentorado deseja para sua habitação. Uma maneira dinâmica de fazê-lo, que também será relevante para o mentorado quando buscar oportunidades de moradia, é pedir que ele prepare um documento de 5 linhas com os principais elementos que uma casa deve ter. O mentor deve ajudar a preparar este documento e, adicionalmente, apoiar a reflexão do mentorado sobre o que ele / ela deseja que uma casa tenha e os principais motivos.

  1. “Indo em frente!” – Planear uma estratégia para encontrar uma casa (ou outro alojamento)

Justificação: Para muitas crianças que se aproximação da idade adulta, o componente mais difícil da moradia não é, necessariamente, a identificação da “acomodação” que desejam ter, mas sim planear e implementar uma estratégia eficiente para encontrá-la e mantê-la activamente. Esta atividade é, em essência, o desenvolvimento dos primeiros estágios dessa estratégia – ter um plano de acção exequível para a busca de habitação. Para isso, o mentorado e o mentor precisam de decidir o modelo que desejam usar (em papel de cenário, em programa de computador – word, Power Point, diretamente em uma folha A4, por post-it que será colado e após um documento organizado será produzido, ou outro método que preferirem). Com o apoio do mentor, o mentorado identificará os principais objetivos, desafios e oportunidades relacionados à moradia. Uma estratégia com a operacionalização das ações escolhidas. Durante a implementação da estratégia, o plano deve ser monitorizado e actualizado regularmente.

  1. “Estratégias de reforço intrapessoal – simulação de situações difíceis, emocionalmente desafiadoras e positivas em relação a questões relacionadas com a habitação ”.

A recompensa intrapessoal do mentorado para si mesmo pode ser: “Muito bem! Eu sou incrível”! ou “Consegui! Vou-me recompensar com uma ida ao cinema com os amigos! ”

Justificação: Esta sessão é particularmente desafiadora para a maioria dos mentorados. É essencial que o mentorado desenvolva fortes estratégias de reforço intrapessoal para lidar com todos os desafios de maneira assertiva. Para treinar estas competências, propomos que o mentor e o mentorado pratiquem, usando técnicas de simulação, diferentes situações, reacções e resultados – o objetivo principal é reforçar a aceitação, estilos positivos de enfrentamento e pontos fortes do mentorado.

4.Avaliação final da jornada e encerramento do programa de mentoria: O mentor e o mentorado discutirão as realizações, desafios, dificuldades e estratégias para superá-los, entre todas as outras questões que eles decidiram abordar durante esta jornada. O mentor deve concentrar-se em providenciar feedback positivo e construtivo e sugestões para aprimoramentos e melhorias adicionais, e estar disponível para ouvir críticas e sugestões. Também deve ser desenhada uma estratégia de continuidade do acompanhamento e de ajuda pontual, se ambos assim o desejarem, para que não haja uma quebra abrupta na relação.